Historia parte 4!!

Bom dia meus amores :) Como vocês estão? Vocês estão bem? Bom... A ultima parte da historia foi (pelo meu ponto de vista) aceita em relação a vocês, então eu vou continua-la e... sei lá hahaha Bom, Me sigam no instagram @lala_milena e no snapchat @lau_milena Deem seus +1 para ajudar em nossa divulgação, nos adicionem ao seus currículos do Google para receberem as novidades aqui do blog :) Tenham uma boa tarde e uma boa leitura :))

"Cap. 4

“Estar sozinha” eram duas palavras relativas, “estar” poderia significar “em um lugar” e “sozinha”, sem os outros, mas nunca estávamos sozinhos, temos as bactérias, os vírus e os átomos que ficam muitos em um só lugar. Então não. Eu não estava sozinha, nem agora, nem nas ultimas quatro horas que passei trancada em meu quarto. Não chorava mais, era como se as lagrimas tivessem se esgotado dentro de mim e em seu lugar um grande vaco surgira, onde podia se escutar meu coração, que acada batida, machucava.
Estava ajoelhada de frente para meu criado mudo, tomando coragem para pegar meu celular. Não sei por que queria pega-lo, não iria ligar para ninguém, e minhas redes-sociais estavam sem graça, sem cor. Depois das palavras de minha mãe a unica coisa que fiz foi respirar entre um soluço e outro. Não precisava viver se não fosse para dançar.
Nessas quatro horas pensei sobre muitas coisas. Sobre meu beijo com Leo que agora não fazia mais sentido, sobre minhas pontas que agora ficariam guardadas para sempre em um lugar provavelmente que faria com que ela rasgasse, sobre como minha mãe avia super me apoiado aos cinco anos de idade para que eu fizesse ballet, e agora como ela tinha dito aquelas palavras duras com um tom duro como pedra.
- Bia? – Meu pai chamou do outro lado da porta, E as lagrimas se formaram novamente em meus olhos – Bia, por favor, seja madura. – Sentia o tom doce de meu pai do outro lado da porta. Não abri.
Da janela eu podia ver as estrelas que davam brilho ao meu quarto escuro. Por que estava tão abalada? Eu realmente era a estranha da turma por dançar. Devia realmente parar de dançar. “Que infantilidade a sua Bianca” Mais uma vez aquela vozinha veio me atormentar. Levanto do chão e abro a janela. Deixo que o ar fresco entre em meu quarto. Olho a rua a procura de alguém que me tire daqui, alguém que diga que isso tudo era brincadeira e que eu nunca vou parar de dançar. Mas por algum motivo eu penso em Leo, e em seus olhos se fechando em quanto me puxava para beijar sua boca.
- Bia... Me deixe entrar, sou eu, Carol – Carol. Minha sempre amiga e companheira Carol. Abro a porta e a deixo entrar, ela ameaça ligar a luz mas rápido coloco a mão no interruptor. Não sabia qual era minha aparência a esta hora, depois de chorar e ficar com o rosto amaçado por se escorar em meus braços. – Amiga... Desculpa. Sua mãe me contou tudo...
- Porque desculpas Carol? – Minha fala saiu fria. Mesmo eu não querendo.
- Bia eu só vim conversar e... – Sintia que ela sorria – Eu soube que você e o Leo ficaram – concluem ela fechando a porta, me puxando pelos braços e dando pulinhos de animação. E la queria me animar, eu sabia disso, mas alguma coisa... Sei lá, não estava certo.
- Como você soube? – Minha voz saiu desanimada e rouca, mesmo não querendo isso. Sempre quando estava com Carol ficava animada e alegre, mas a dor de parar de dançar era quase insuportável. Não me deixava viver.
- Ahhh então é verdade - ela dá um sorriso de “te peguei”- Você se esqueceu quem faz teatro comigo é? Anastácia chegou lá no teatro toda vermelha e arranhada e com os olhos cheios de lágrimas... ô dó – Fala ela com seu sarcasmo tão forte em sua voz que me faz rir pelo menos em um instante. Fecho os olhos segurando as lagrimas. Carol deve ter percebido, pois ela continuou – O amiga... Não fica assim não – Ela me abraça e foi a gota d’água para me derramar em lagrimas novamente. – Eu choro junto – Ela dá um pequeno riso e me abraça mais forte.
- Carol... – Falo engolindo a bola que estava se formando novamente em minha garganta. Antes de falar dou sorriso sarcástico, como estava sendo infantil. – obrigada por ter vindo... você... Anastácia... – Mesmo não terminando a frase ela me interrompe.
Anastácia disse que foi tomar sorvete e viu vocês dois se pegando lá na sorveteria. Disse que estava indo em bora quando o Leo chamou ela pra se sentar com ele e disse que você ficou nervosa e saiu, o Leo foi atras de você mas parece que você tinha esquecido a mochila, e ela “pegou para devolver mais tarde” – Ela faz inúmeras aspas com os dedos – só que dai o Leo chego e disse que podia entregar para ele e ela entrego.
... 
Continua"

Share this: